Mês: Maio 2017

Furacão

Furacão

Me deixe te dizer

e mostrar

o que os seus olhos não podem ver

pois,

estão cegos pelo o ódio

que você aprendeu a ter por você.
Me deixe te confessar

que eu também vejo o mundo melhor

sem eu nele,

caminhando e perdida

tentando e lutando

para saber o porquê

de eu estar viva.
Me deixe chorar com você

e derramar lágrimas com as suas lágrimas

até que possamos virar um só mar

de dor e vazio

e limparmos tudo de ruim

e todas as vozes que

nos dizem

você não deveria estar aqui.
Furacão ou não,

toda destruição pode ser reconstruida

e reerguida

as melhores belezas

são aquelas que sorriem para não mostrar sua tristezas

pois já sabem que de ódio o mundo vive

e na natureza você se diz o desastre

Mas quem aqui não está quebrado e destruído?

então vamos seguindo

para a trilha dos excluídos

nos reerguendo da passagem dos nossos próprios furacões.
Os furacões que habitam dentro de cada um de nós.

Pretérito perfeito

Pretérito perfeito

Eu poderia dizer, insistindo, como nas outras vezes, que você deve se levantar e dar um jeito em sua vida. De certo, o tiro sairia pela a culatra,  já que só fazes o que bem entender. Mas não posso evitar,  não consigo evitar de tentar te salvar.  Quando a vejo, com seus olhos escuros que escondem as tristezas, banhados por uma vazia sensação efêmera de felicidade, quero sentar ao seu lado e dizer que é suficiente.  Ainda que negue isso,  continuar repetindo…

até que passe a acreditar.

Sei que você toma dois copos d’agua antes das refeições – tudo porquê você precisa ser magra, pois só aí,  alguém finalmente te amaria. Inclusive, você mesma.

Eu sei das noites que você passa em claro, desejando ser qualquer outra pessoa, menos si a mesma.

Eu sei o quanto desprezo sentes pela a sua própria pele,  o cabelo encaracolado – reafirmando suas lindas raízes.

Mas você odeia tudo o que te faz ser você. E mesmo que com todo o esforço do mundo alguém tente ajudar, deverias primeiro parar de sentir pena de si mesma.
Deverias enxergar que eu sempre estive aqui, mesmo que eu não seja quem você queria. Ainda que nunca possamos beber até vomitar no tapete, nem sair para as noites da Lapa, permaneço aqui…

permaneceria..

passado…

 Isso foi antes. Antes de me dar conta que não importa quanto eu tente, nunca poderei te salvar.

Você não pode jogar a corda para quem não tem intenção de pegá-la.

Fim.

Pessoas que se importam

Pessoas que se importam

Pessoas que se importam são diferentes, pois se mostram diferentes, não precisam dizer que são. Elas são diferenciadas porque dão importância para aquela pequena coisa que você fez em uma madrugada difícil. Elas transformam as pequenas coisas em extradiordinárias.

Mas, mais do que isso;

essas pessoas te fazem crescer. 

Podem não te procurar nas próximas duas semanas, mas vão gritar por você em algum momento; elas vão perguntar das novidades, porque mesmo no meio do caos desse mundo onde todos estão querendo ser melhores uns que os outros, esse indivíduo quer que você seja o melhor que consegue.

 Pessoas que se importam demonstram o interesse sem precisarem dizer que estão interessadas. São em pequenos detalhes, exatamente quando elas perguntam mais sobre aquela vontade sua de fotografar ou te mandam mensagem pra saber se você está indo bem tentando se recuperar daquela crise existencial de ontem.

 Pessoas que se importam normalmente são as que não ficam se auto proclamando que se importam, porque elas não precisam atestar o que fazem para serem reais.

Pessoas que se importam podem deixar de se importar porque alguma pessoa que um dia se importou, pareceu só se importar quando foi benéfico.

 Devemos aprender muito com os seres vivos; devemos praticar o mutualismo, sempre sendo recíprocos com quem é conosco.

Seja uma pessoa que se importa,

mas só com quem se importa com você

A Cor do Amor

A Cor do Amor

E se todas as pessoas do mundo

se amassem como amo você,

seríamos todas as cores de uma vez,

Não havendo espaço para nada

que não seja

o amor.

 

Se todas as pessoas soubessem

que é o que elas fazem em relação ao próximo

que as “salvam”…

Ah, se soubessem que não adianta oração,

se o ódio semeiam

e a vida tiram à toa

de quem só quer poder amar.

 

Se as pessoas espalhassem a paz

da mesma forma  que atiram pedras

não haveria tempo para mais nada,

a não ser amar.

 

Se somos todos de cores diferentes,

por que não encher de vida,

o cinza que se perpetua  em nossos corações

com cada uma de nossas cores,

para formar um arco-íris?

 

Amor,

Amar

De toda cor.

Ame

Roxo ou preto,

Amarelo, verde, vermelho.

Ame

Cada

Cor

Porque toda cor

É amor.

 

Escrevendo para curar

Escrevendo para curar

Já sentiu sua vida se esvaindo por seus dedos, como grãos de areia? Aquela sensação no estômago parecida com um coração partido, só que pior? É diferente, pois o que partiu foi você. Sua alma. É aquele vazio de mergulhar em si mesmo e descobrir que, talvez, existam demônios que você não quer enfrentar. É, também, um pouco de poesia. E dizem que a poesia se faz com rimas, mas eu te digo que ela se faz com dor. De pouquinho em pouquinho, transformei a minha em versos, observando-a desmanchar-se e transformar-se em tinta no papel. Foi assim que eu comecei a converter sentimentos em estrofes e traumas em metáforas e dei vida aos meus pensamentos mais profundos. Por fim, abrindo a porta do meu mundo para quem estiver disposto a querer entrar.

Por todas essas estrelas

Por todas essas estrelas

Meu coração está chorando

em um silêncio de uma esperança e paz utópicas

em que há um mundo onde se mata por uma cruz

e em que as balas que cruzam o céu não são doces.
Eu saio e me pergunto se vou voltar

tenho medo de virar estatística

e ver tantos de mim se tornarem fumaça e osso,

de uma carne que um dia, foi gente.
Pelo os meus semelhantes.

E eu não preciso acreditar no divino para desejar o meu amor.

Estou chorando

e minhas lágrimas são por sua dor

que é menor de quem ficou aqui por vocês

mas que lateja de tristeza por estrelas recém colocadas no céu,

as que mal começaram a brilhar

e já tiveram sua luz apagada

por alguém cego pela a escuridão.

 

Peço para alguém

ninguém em particular.

Só peço,

acabe com isso

e espalhe o sol em lugares que só há a lua

e esperança em corações onde apenas o ódio habita.

 

Perdoe-me, 

estou chorando hoje.
Somos todos apaixonados por música

e se minha dor tivesse melodia

seria um choro de um violino.
Um dia, “a paz vai vencer e o medo vai perder”

Um dia.

 

 

A paz vai vencer o medo vai perder” – trecho tirado da música Car Radio, da banda Twenty One Pilots

É uma pena, para você

É uma pena, para você

O quanto estranho seria se

agora você estivesse sozinha e

sem ninguém “olhando” por você,

Como sempre gritou que estava?

 

Talvez a visão que você tinha não era

a que queria enxergar,

por isso, fingiu-se de cega

e só viu o que era melhor para você.

Sim, você, no centro da Terra

a única que está sofrendo e

sente-se sozinha.

 

Mas é uma pena

que tenha gente que só aprende na dor

e é lamentável que você se auto destrua

só para receber migalhas de amor

De quem nunca vai se importar.

 

Você me fez sentir completa

para depois me desmontar

e levar meus pedaços com você.

Eu, que subi montanhas e te dei uma bússola

Agora estou no topo do pico sem direção.

 

Talvez você não quisesse ser resgatada

vai ver só queria congelar até a morte

sem dar a si mesma uma chance para

que alguém jogasse a corda.

 

É uma pena

para você.

Perdeu a única pessoa que subiu uma montanha

e se arriscou para te salvar,

É uma pena

para você

me perder.

Aos 18 anos (parte 1)

Aos 18 anos (parte 1)

Aos 18 anos, mesmo não bebendo, queria falar para todos que eu podia beber se quisesse.

Aos 18 anos, já não era mais divertido fazer aniversário.

Aos 18 anos, eu não sabia se era adulta ou uma adolescente

Aos 18 anos, eu era madura o suficiente mas criança demais para ser tão madura assim.

Aos 18 anos, eu só queria que meus pais marcassem consultas médicas para mim de novo.

Aos 18 anos, eu aprendi que adulto não chora.

Aos 18 anos, eu passei a não falar alto que queria matar alguém (no sentido figurado)

Aos 18 anos, eu comecei a me achar velha perto de pré-adolescentes

Aos 18 anos, eu perguntava-me constantemente o que muda em um espaço de 1 dígito.

Aos 18 anos, eu só queria voltar a ter 5 para andar no pula-pula de novo.

Aos 18 anos, o vestibular foi o motivo dos meus pesadelos 7 dias por semana.

Aos 18 anos, eu só não queria ter 18 anos.

Aos 17 anos

Aos 17 anos

Aos 17 anos, eu me achava adulta.

Aos 17 anos, eu queria muito ficar mais velha.

Aos 17 anos, eu fazia poemas de amor pensando que sabia o que era amor.

Aos 17 anos, eu tentava ignorar o vestibular e fingir que o tempo não estava passando.

Aos 17 anos, eu não sabia o que queria da minha vida, mas pensava que o tempo era infinito.

Aos 17 anos, era o fim do mundo brigar com os meus pais.

Aos 17 anos, eu pensava que 1 semana era tempo demais.

Aos 17 anos, o meu maior medo era não passar em física.

Aos 17 anos, eu queria ter 18 para que tudo ficasse magicamente melhor e aos 19 anos, eu queria ter 17 anos para voltar a achar que tudo ficaria magicamente melhor em 365 dias.

Era uma vez, os meus amigos da escola

Era uma vez, os meus amigos da escola

Haviam duas ou três pessoas que eu confiava, mas eu gostava de todos. Aos 16 anos, você é ingênua demais para notar que as relações na escola são um peso de papel; ao contrário das folhas, ninguém quer sair voando sozinho por aí, então as pessoas precisam de algo para segurá-las.

Ou seja,

É melhor ter alguém do seu lado por estar, do que ficar sozinho. 

Eu era o peso, mas nunca fui a folha. Não que eu me lembre, pelo menos. E por muito tempo, eu me culpei por achar que todos nós iríamos virar uma turma de amigos. De alguma forma, eu canalizava minhas expectativas nas pessoas e ficava com raiva se ninguém correspondia a elas.

Eu queria uma turma de amigos; só faltava os amigos.

%d bloggers like this: