A dor de um vazio

A dor de um vazio

Como não pôde ver em seus olhos?
Havia sangue.
Havia dor.
Havia desespero.
Em sua pele, nas arestas mais profundas, o vazio se misturava
com o medo de não poder sentir bem de novo
nunca mais.
Com o pavor de talvez, não ser capaz de respirar sem sentir o ar escapar.
Foi aí que desapareceu.
Para sempre.

Não houve condolências
mas dedos apontados.
Não houve abraços reconfortantes
e sim olhares cruéis de pessoas que queriam achar culpados
para se livrar do simples fato
de que todas eram um pouco culpadas também.
Em vez do “por que?”
ouvia-se “já era de se esperar…”
“claro que sim, eu sabia….”
Ninguém nunca olhou além e questionou se estava tudo bem.

Alguém perguntou para você se está tudo bem?
Não.
Isso porque
todo mundo está bem mais preocupado com o horror de uma escolha
do que com o motivo dela.
Todo mundo se importa bem mais em rir daquele mais tímido
do que chamar e incluí-lo.
Todo mundo se interessa mais em fingir que ama a todos e não discrimina
só para não queimar no inferno
mas realmente não pratica o amor.
E a falta de amor
leva ao vazio
e o vazio
que lhe deixou a alma oca
matou por dentro
aos poucos.

Todos eles lhe mataram
com cada palavra ou a falta delas
e cada olhar ou a ausência deles
e cada vez que disseram
que não era bom o suficiente.

Ele não queria sumir porque queria morrer
ele queria sumir para que parasse de doer.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
  • Ana Sussel

    Uau

Comments are closed.