A falta e o excesso

A falta e o excesso

Se o excesso ás vezes incomoda, o que dizer da falta?

Quando é que as pessoas vão perceber que assim como o excesso de carinho, amor, privacidade, cuidado, são ruins, a ausência dessas coisas é igualmente péssimo? Por que reclamamos tanto do exagero de problemas e não nos incomodamos com a inexistência de esforço para resolvê-los?

As únicas vezes que nos preocupamos com a ausência é quando essa ausência é a falta de alguém ou a falta de alguma coisa em nós mesmos. Estamos constantemente nos questionando sobre a falta de tempo quando não sabemos nem ao menos como administrá-lo. Reclamamos e falamos mal sobre a falta de atitude alheia, mas repetimos o mesmo vazio de iniciativa, e ainda assim, seguimos tagarelando sobre como seria melhor ter mais tempo, mais qualidades, mais dinheiro, mais carinho e mais iniciativa. No entanto, será que exercemos isso em relação à nossas vidas?

Será que adianta mesmo reclamar da sua solidão quando você não se abre para as novas possibilidades?

Mas é o que dizem; alguns só se ausentam, outros fazem valer a ausência.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.