A inútil espera

A inútil espera

O telefone toca ,- o que nos dias de hoje, é raro -, mas é só a operadora ou esses malditos números de outros estados tentando dar golpe. Suspiro, porque esperava ser você. Sim, eu ainda espero. Continuo aguardando uma palavra qualquer, aquela atitude idiota que tenho de criar expectativas por pessoas que não dão a mínima. A sensação de que eu é quem deveria falar alguma coisa, mas o sentimento de que se você quisesse, já teria feito. Sinto-me como se meus pés estivessem colados no chão, pois nada do que eu já tenha tentado me tira deste lugar, o limbo, a fila interminável de espera.

Eu olho para os lados, atravesso a rua e penso em você. Fico aguardando sua chegada, o meu abraço, as suas desculpas…mas nada disso nunca vem. Nem você e nem ninguém vem, porque existe uma diferença entre se dizer importar e realmente mostrar isso. Aprendi da pior maneira que ao romantizar nossas memórias juntas também lhe romantizei. E quando se idealiza uma pessoa tudo o que se tem é a decepção. É culpa minha por ter feito isso e culpa dela por não notar que tudo o que eu precisava era nem metade do que poderia me dar.

Existem esperas que duram 1 dia, 2 semanas ou são interrompidas pela a morte. No entanto, há a espera eterna; aquela aonde só você está esperando.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.