Asfixia

Asfixia

Ando,ando e ando (em círculos).
A mente como o sistema solar;
onde os pensamentos giram e nunca param.
Um ciclo eterno de luta.
Com sangue, guerra e mortes.
Uma luta com os demônios
os demônios que fazem parte de mim.

Deveria não ter chorado,
mas a corda acabou de arrebentar
Então rego estas árvores com o meu medo.
E isso está perto de me asfixiar.
Deveria dizer que o espelho se partiu
mas acabei de terminar de despedaçá-lo.
E eu também deveria fazer um monte de coisas,
inclusive fazer esse poema rimar.

Me consome e tira de mim o melhor.
Ah, o teto parece interessante!
mas são 4:15 da manhã,
E isso está perto de me asfixiar.
O que eu poderia ter dito?
Poderia ter falado aquilo
ou isso.
E crio ideias, histórias, situações que não existem
No mundo do sonhos eu vivo acordada
Batalhando contra os demônios que aqui residem.

A sensação de sufocar, de ser presa e impedida de viver
Porque eu acordo já pensando em quando vou morrer.
E diga em alto bom som…
apenas pros que fingem que não ouvem, não é?
Porque assim como eles, ignoro essa asfixia
Essa grande agonia que pra sempre me atormenta…
Maldita asfixia!

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.