Elefante Branco

Elefante Branco

Não conte pra sua mãe. 

Estamos trazendo uma filhote de cachorro escondidos.

É seu e do seu irmão. 

Acabamos de ganhar um computador só nosso.

Segure-se firme. 

Estou deslizando pelo o gelo e sua mão prende-se na minha.

E de repente, você não está segurando mais.

E de repente, fiquei velha demais.

E de repente, quero morrer.

E ninguém parece notar o quanto eu mudei

Nem você. 



Estou me escondendo,

mas quero que me amem.

Você está aparecendo demais

e quer que te amem.

Acho que pelo visto, nós duas somos iguais.

E então você desaparece.

O sol está surgindo quando você retorna

e nós não somos mais as mesmas. 

 

Você zomba do meu jeito

daquela piada que eu sempre ri,

Mas o meu escudo me defende e eu te puxo pra minha bolha;

E decido revidar.

Eu não acho mais engraçado.

Não sei se consigo explicar.

Então viro as costas e te deixo pra trás.

e nós não somos mais as mesmas. 



Há uma distância que não pode mais ser encurtada.

Há uma barreira que não pode ser destruída.

Há mágoas que não podem ser discutidas.

Há tempo que está sendo perdido

e ninguém fala nada.

Estou ocupada me defendendo

e você, ocupada demais tentando continuar viva.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.