Carta: Eu não sou o suficiente. (E sim, você é)

Carta: Eu não sou o suficiente. (E sim, você é)

     Querida menina do universo,

Eu não me quero, nem me respeito. Não gosto do que sou, nem de quem tento ser, muito menos do que querem que eu seja. Se isso não é o que desejo, nem o que preciso, então onde estou senão em meu próprio abismo de covardia?

     Quem me disse o que deveria ser ou o que não é o suficiente, todos que fizeram-me pensar no que podia mudar em mim. Nessa batalha para a auto aprovação, peço desculpas. Desculpas a mim, pelo o tanto que já me fiz passar, os momentos em que duvidei de minha capacidade e pela as situações em que tentei me adequar ao que queriam.

    Não sei o que tem de errado com as minhas manias, crendices e comportamento, mas as pessoas parecem nunca querer ficar perto dos meus olhos negros e personalidade difícil. Aliás, já sei o porquê… bom, talvez porque não sou o suficiente para fazê-las ficar.

   Atenciosamente,

      Uma Atelofóbica

        Querida leitora e presentes, hoje estou passando por uma situação com minha amiga Joana, que chorou culposamente por não tirar uma boa nota em história. Bom, fazer o que né? Tive que consola-lá, então perdoe-me o atraso.

 Pra começar, te afirmo que todos nós somos Atelofóbicos, sem qualquer exceção. Quem não tem medo de ser trocado, subestimado ou não ser o que o outro espera? Isso acontece porque há sempre aquela síndrome da grama do vizinho é mais verde, ou seja, aquele cara é muito mais musculoso que eu, aquela menina tem uma voz incrível pra cantar e olha aquele garoto, ele é super bom em matemática! Mas e você, no que é bom (a)? Por que é que você não se enxerga capaz?

   Será que tu ainda não se tocou que ninguém é melhor que você? Ninguém é melhor que você porque nenhuma pessoa do mundo é igual. O fato é que se um limite é estabelecido, limita-se a capacidade. Tudo bem que talvez saiba das suas dificuldades, mas porquê não se desafiar e estipular um 8, quando só se esperava 7?

 Você só não se ama, porque deseja ser como os outros. A sua repulsa ao que é, a resistência ao seu próprio jeito, é o que te faz não se valorizar. Aliás, não precisa procurar se satisfazer nos outros, o que não consegue em si mesma. Talvez tudo esteja uma droga agora, mas as coisas só acontecem porque são necessárias. Então exigir de alguém ou de uma situação, algo do qual nem você pode fazer, é como esperar que alguém pule se não sabe andar.

  Quem se afasta de você vira aprendizado. O fato é que não dá pra ser emocional em tudo o que se faz, porque infelizmente as pessoas são assim e elas sempre procuram algo novo, o prazer momentâneo, o efêmero, o fresco. Não há nada de errado contigo e nem comigo ou com o outro. A propósito, a sua visão é que altera o jeito que vão te enxergar, porque se você se enxerga de maneira ruim, será vista de maneira ruim.

  Por último, te digo que as suas cicatrizes são a marca do seu aprendizado e da força que você obteve, pois só elas vão te mostrar que toda batalha tem um ferimento e todo ferimento tem uma história.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.