De baixo do seu nariz

De baixo do seu nariz

Você ainda está usando seus óculos que deixam seus olhos maiores.

Eu estou torcendo que olhe para mim, mas a luz do seu celular se apaga e dá as boas-vindas ao breu do quarto.

Ouço sua respiração ficando lenta e criando um ritmo uniforme, um padrão cansado de quem trabalhou o dia inteiro.

Você tem sorte em poder se embriagar em seu próprio sono, porque até em meus sonhos eu vago como um zumbi.

Eu queria chorar, derramar-me em minha própria dor e me afogar em meu desespero,

Mas tudo o que eu sinto é nada mais que vazio.

Eu estou me afogando na minha própria correnteza e eu me recuso a pedir ajuda.

Eu sempre tive de dessas achar que sou melhor sozinha.

Vai ver é porque nunca pararam para enxergar através de mim.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.