Guerra Fria

Guerra Fria

Se eu fechar os olhos,

As portas ainda estarão abertas.

Se eu fechar os olhos,

Os gritos não me tirarão o sono.

Se eu fechar os olhos,

Não verei ninguém chorar.

Se eu fechar os olhos,

Ainda posso te impedir de me quebrar.

 

A quietude é solitária, eu diria.

E quando não abro a boca para ninguém,

Debatendo comigo mesma sobre botar tudo para fora,

O silêncio ainda me parece valioso,

porque ele esconde a dor que causa mudança

E essa mudança que nos apavora.

 

O ar pesado, metálico.

O sussurro de algo que ninguém tem coragem de dizer.

E a chuva forte, o temporal,

Que respinga em mim e em todos

Menos em você.

Porque não hesitaria em machucar para se proteger.

 

O desconforto é confortável

Para aqueles que já estão acomodados

E não notam que seu conforto incomoda

os incomodados,

que não querem viver desconfortavelmente confortáveis,

Como aqueles acomodados que tem medo de mudar.

 

E, cada vez mais distante,

Você anda por uma trilha de terra ilusória

de quem costumava ser.

E dizem que somos iguais

Os tristes idealistas que terão os mesmos finais.

Mas o ditado está errado,

Já que sou filha de um tubarão e sou um peixe palhaço.

Filho de peixe, peixinho não é

E eu posso ser o que eu quiser.

 

 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.