Inteligência

Inteligência

Eu vejo números vermelhos, olhares decepcionados, palavras afiadas e descrença em todos os cantos. Vejo até desconfiança, o não acreditar de indivíduos que jamais me conhecerão em alma, mas mesmo assim me definem por algo que não determina o que realmente posso fazer.

Sinto evaporar a confiança que restava em meu corpo no momento em que, com com apenas um numeral, definem o que sou ou não capaz de fazer. Eles cospem os erros e passam por cima dos acertos porque segundo eles, não são os regulares que possuem o poder de mudança mas sim os acima da média. Ah, eles sim são brilhantes! Sugam conteúdos como robôs, absorvem dados em pouco menos de 60 minutos. Suas moradas chamam-se pedestais e eles são colocados lá por alguém que realmente acredita que meia dúzia de estrelas mostram o quão brilhante um indivíduo consegue ser.

Teorias, exageros de informações que sei que jamais irei utilizar. Habilidades subestimadas e jogadas para baixo de um tapete que esconde dons, sonhos, e pessoas não padrões. Porque sim, padrões são necessários para mover esta sociedade robotizada, que dá importância a gráficos, contas e longos períodos de tempo gastos para realizar problemas matemáticos, mas esquecem-se de olhar para a arte. Tudo o que amam, dentre a música e o cinema.

Julgam os que preferem pintar ou fazer sons, enaltecem os que estão por aí fazendo impostos de renda mas desvalorizam os que formam cidadãos. Triste ambiente, triste mundo, triste sociedade que constrói a capacidade baseada no que é visto de forma porca e mastigada, para depois gritar que formou melhores pessoas, mas apenas forma adultos conformados e avessos ao conhecimento, porque aprenderam a não aprender e tornaram-se atores; decoram o texto para logo depois esquecê-lo. É como uma cena, um capítulo que jamais lembrarão novamente.

Ainda que possam lhe dizer o contrário, seu QI está no modo como você transforma as coisas a sua volta, nas sensações que causa nas pessoas e nas ideias que possui para mudar o mundo. A inteligência não é o conteúdo da prova e sim o impacto que tem com os que se relaciona. Inteligência não está no que pensa, mas no que muda de acordo com o que sabe sobre a sua existência. Ser inteligente é trabalhar em grupo e utilizar o seu conhecimento em prol do próximo. E por fim, a inteligência é simplesmente saber que você nunca sabe o bastante e tem sempre, sempre algo a aprender, mesmo que seja com o que pouco sabe.

 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.