Questionar… até demais?

Questionar… até demais?

Haverá sempre aquele aluno ou aluna que irá muito além do que o professor passa nas aulas. Ele/Ela quer descobrir o porquê da Revolução Francesa ter acontecido, em que ideologia se inspirou, qual o motivo de sua criação… emfim, o que está por trás de todo o caminho percorrido.

Quando eu digo que vai ter sempre alguém, quero dizer eu mesma.

Eu era esse alguém.

Sempre fui do tipo que não me conformava com algo simples, uma resposta monossilábica, preferia procurar e tentar desvendar tudo até o ponto de origem. Eu era a criança do “porquês”.

O inconveniente de ser questionadora demais é se dar conta que nem tudo tem de obrigatoriamente ter um significado. Às vezes não tem um porquê, só acontece.

Às vezes você pintou seu cabelo por pura vontade. Não teve uma separação, um evento importante ou o surgimento de fios brancos. Você só quis.

Talvez seja uma busca desnecessária por um profundo que acaba se tornando raso demais, pois no final, nem era tão fundo assim.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.