Rara alma

Rara alma

Hoje, você é o brilho das estrelas.
Um pouco do sol,
Um pouco do céu,
Você é cada uma das pequenas coisas ao redor.
Uma partícula de poeira,
Uma alma poeta morando no amor infinito de quem te admira, de quem aprendeu a te amar,
De quem te conhece de uma vida.

Eu sinto muito por sua dor.
A dor invisível aos nossos olhos,
Mas latente em seus poros.
E em cada osso de seu corpo,
A dor do vazio, a dor do nada,
A qual você só queria arrancar do seu peito,
Mas não tinha ideia como.

Você viveu da melhor maneira que conseguiu.
Lhe admiro por suportar o peso do mundo em seus ombros,
apenas para que todos pudessem sorrir.
Você fez da sua voz um choro de alívio,
Fez da sua música, o nosso lar.

Quando o mundo perde um artista, também perde um pouco de beleza.
Essa poesia, que transforma o nosso mundo cruel em mais suportável.
Obrigada por deixar nossas almas agoniadas morarem em seus versos.

Descanse em paz.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.