Salva-Vidas

Salva-Vidas

Lhe joguei a âncora e a corda,
mas você preferiu despencar no mar de tubarões.
Não posso resgatar
alguém que quer estar perdido
e pode fazer eu me perder da saída.

Gritei para que corresse
enquanto te deixava para trás,
parada, na espera de alguém que te carregasse,
pois você tinha medo de pisar em espinhos.

Você temia a dor,
mas causou dor.
E quando eu busquei o antídoto,
você usou suas feridas como desculpa para utilizar, como se sua dor fosse maior,
enquanto eu, dolorida permaneci.

Você prefere ficar entorpecida
a não sentir coisa nenhuma,
porque talvez, o vazio dentro de você te assusta,
ao mesmo tempo, que você assusta os outros com o seu vazio
e os torna mais insípidos que si mesma.

Não posso ser sua salva-vidas.
Estou ocupada salvando a mim mesma,
E cansada demais para te olhar, ao passo que você se auto destrói.
Não posso ser sua salva-vidas,
porque você não quer ser salva,
você quer que alguém que esteja lá,
para testemunhar quando se perder
de si mesma.

 

 

 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.