Um poema ruim

Um poema ruim

Estude, estude, onde pensa que vai?

Está martelando em meu cérebro, a culpa, a culpa, a culpa

Por que eu não me importo?

Estou presa nessa jaula onde eles escolhem o que tenho de saber

Nessa fortaleza de meritocracia e comércio de sonhos

Habitada por alguém que está pagando para ser pago um dia.

 

Livros e 90 reais, é tudo o que eu tenho

Então eu me engano e digo amanhã vai ser melhor

Quando o amanhã chega ele parece hoje, pois todos os dias são os mesmos

no mundo dos sonhos inventados por eles.

Por quem eu faço isso? Por mim, por alguém?

Eu quero andar, mas não sei para onde e tudo o que eu vejo é a terra dos sonhos.

 

Procrastinar

Minha palavra do momento, meu vício de sempre

Tudo parece mais interessante do que esse conhecimento forçado e toda essa didática do passado

O que eles querem que eu saiba eu nem me importo

Porque no papel não parece nada

Já que somos apenas robôs comprando sonhos

 

E se eu não caminhar por esta trilha, o que vou fazer?

Ou você se encaixa no mundo dos sonhos ou ele engole você.

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comments are closed.